PUBLICIDADE


Início do futebol em Caxias


O futebol como conhecemos hoje surgiu na Inglaterra em 1863, com a organização da associação deste esporte em Londres. O brasileiro Charles Miller, em uma viagem aquele país, trouxe consigo duas bolas do novo esporte e assim surgia o futebol no Brasil. Inicialmente era um esporte da elite, praticado por jovens da alta classe e proibida para os negros, mesmo com a abolição da escravatura. Demorou-se alguns anos até que esse esporte se populariza-se no meio operário, surgindo os primeiros clubes de futebol.

No Maranhão o futebol chegou no inicio do século XX, justamente nesse meio de trabalhadores surgindo o primeiro time do estado, o Fabril Atlétic Club, fundado em 1907. O proprietário da Companhia Fabril Maranhense, Joaquim Moreira Alves dos Santos, o Nhozinho Santos, foi o responsável pela fundação do futebol maranhense quando trouxe de viagem alguns acessórios para a pratica do esporte. Na área da fábrica da companhia, a Fábrica Santa Isabel, aconteceram as primeiras partidas de futebol no Maranhão entre os clubes das fabricas de São Luís.

Em Caxias, o futebol chegou logo após a capital, por volta da década de 1910. O esporte logo se tornou uma paixão dos caxienses. Os praticantes eram trabalhadores das fábricas, militares, membros de sociedades como União e Centro Artístico ou jovens da alta classe. O primeiro time que se tem notícia em Caxias é o Caxias Sport Club, fundado em 18 de janeiro de 1917.

As primeiras partidas de futebol na cidade aconteceram na Praça da Independência, atual Praça Dias Carneiro ou Panteon. A área era um grande espaço de piçarra, areia e capim, sem arborização, o que facilitava a prática do esporte. Em dias de jogos, as autoridades locais, além de membros da sociedade, se faziam presentes e até faziam discursos antes das partidas. Outro atrativo eram as bandas de músicas que animavam os presentes. 

Na falta de rádio local, as partidas eram narradas nos jornais impressos, como o ‘Voz do Povo’, que descrevia com emoção como tinham acontecido os jogos, dando detalhes dos principais lances e jogadores.

Um outro espaço pioneiro no futebol caxiense foi o Largo de São Sebastião. Com a fundação do São Sebastião Sport Club, em 1917, também foi providenciado a construção do campo de treino do clube, pois era comum cada time ter o seu próprio campo. O local escolhido pelo S.S.S.C. foi uma área plana neste Largo, aberta para a construção de um hospital de caridade sob a liderança do médico humanitário dr. Miron Pedreiras. Mas com a falta de apoio financeiro para erguer esse hospital, a obra acabou abandonada, ficando a estrutura inacabada, o que servia de arquibancada para quem assistia as partidas de futebol.

Foi nesse local que foi fundada, em 1939, a Liga Esportiva Caxiense, que passou a organizar o futebol caxiense e incentivando jogos entre times do interior, levando os clubes até a capital. Em 1940, o Interventor Paulo Ramos assinou Decreto Estadual para a construção de um estádio de futebol em Caxias em parceria com a Liga.

Em 1948, quando a Sociedade Humanitária Caxiense resolveu levar adiante a construção do hospital idealizado pelo Dr. Pedreiras, voltou ao Largo de São Sebastião onde realizou uma cerimônia de lançamento da pedra fundamental do futuro hospital naquele ano. O evento contou com diversas autoridades, inclusive com o Governador do Estado Sebastião Archer e o Senador Vitorino Freire, que garantiram que o estado ajudaria nessa obra.

Assim, criou-se um impasse pois a área do antigo hospital agora era o campo de futebol da Liga Esportiva, que acabou requerendo legalmente o terreno. Dessa forma o comerciante Alderico Silva, membro da Sociedade Humanitária, comprou um terreno na Rua Aarão Reis e o doou para a construção do hospital que recebeu o nome de Hospital Miron Pedreiras, inaugurado em 1956.

O campo improvisado do Largo de São Sebastião acabou virando o Estádio Municipal Duque de Caxias, onde aconteciam as partidas oficiais do futebol caxiense e onde os times de fora vinham se apresentar. Em 1979, o Governador João Castelo mudou o estádio para a nova área urbana da cidade, o conjunto habitacional do IPEM, no Seriema e no local do antigo campo, ergueu o Ginásio de Esportes João Castelo.

O Estádio Duque de Caxias permanece até os dias atuais naquele bairro, recebendo partidas de futebol de campeonatos municipais, estaduais, além de eventos para o grande público. Ao lado do estádio, está a sede da Liga Caxiense de Futebol – LCF.

Conheça mais sobre o futebol e os locais aonde aconteceram as primeiras partidas no livro ‘Por Ruas e Becos de Caxias’.

Jornal Voz do Povo, 1936. Assim eram narradas as primeiras partidas de futebol em Caxias.

Solenidade antes da partida de futebol no Estádio Duque de Caxias, no Largo de São Sebastião.

É possível ver ao fundo o portão do Cemitério dos Remédios.

Atualmente não é mais possível ver o cemitério devido a construção da Escola Duque de Caxias.


Colunas anteriores

Arquitetura escondida – II

Entre tanta poluição visual e materiais inadequados, está aquela propaganda comercial de uma mulher seminua ao lado de uma criança. A vista de todos, em pleno centro da cidade. É no casarão da Praça Gonçalves Dias. Um dos mais belos exemplares da arquitetura colonial portuguesa encontrada nem nosso Estado. Esse tipo de construção histórica vai além de nossa cidade, se destacando no inventário...
Continuar lendo
Data:22/10/2020 15:01

148 anos de Elpídio Pereira

O maestro Elípio Pereira Neste 16 de outubro de 2020, comemora-se 148 anos do nascimento de um dos maiores músicos maranhenses, Elpídio de Brito Pereira. Foi naquela Caxias, no ano de 1872, que o casal João Bento de Brito Pereira e Gertrude Batista Bento de Brito Pereira, viu nascer Elpídio de Brito Pereira. A família Brito Pereira fazia parte da aristocracia caxiense, com diversos comerciantes e industriais que impulsionaram a cidade entre os...
Continuar lendo
Data:16/10/2020 07:19

Joaquim Cruz

Joaquim Antônio da Cruz é um ilustre caxiense que levou o nome de nossa cidade além dos limites do Brasil, principalmente nos primeiros anos do Período Republicano. Filho do casal João dos Santos da Cruz e Lina Castelo Branco, Joaquim Cruz nasceu em Caxias a 6 de janeiro de 1846. É irmão do político Cristino Cruz e do industrial José da Cruz, ambos biografados no livro ‘Por Ruas e Becos de Caxias’. Pouco se sabe sobre...
Continuar lendo
Data:10/10/2020 09:08

PUBLICIDADE

Responsive image
© Copyright 2007-2019 Noca -
O portal da credibilidade
Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pelo Google:
A Política de Privacidade e Termos de serviço são aplicados.
Criado por: Desenvolvido por:
Criado por: Desenvolvido por: