PUBLICIDADE

Responsive image

Wybson Carvalho

Recanto do Poeta

Poemas duvidosos


Féretro

Deitarei  na madeira fôrma.

pagada estará a luz dos meus dias e noites

- sol, lua e estrelas fogem da vida terminada -

o amarelado fogo das velas envoltas

iguala-se ao meu pálido corpo inerte

e estendido qual iguaria posta à mesa do velório.

já estará faminta a profunda cova 

aberta com a língua úmida da morte

e os dentes afiados no cio da solidão.

Naturezas:

A animal,

o instinto criou o coração em mim 

dividido em faces iguais - 

A divina, à fé acasalou o espírito 

noutro eu aglutinado 

pelas emoções diferenciadas.

Qual porção é a verdade minha?

O cérebro – juiz da razão –

emudecido à resposta lógica

sobre eu nenhum compreendido.

Eu

Preso às circunstâncias grupais

escravizo-me em inúteis fugas

alheias à unicidade.

sem encontrar abrigo individual

multiplico as buscas pelo zero

à esquerda de mim.

Caminhos

Muitas pedras num rumo certo.

seguir, em passos firmes.

final feliz, conseguir acerto.

chegar jamais, erros demais, não ir além.

Sentença

Incriminar o errado

julgando-o seu

sob o domínio.

Possesso é, pois, o réu

em submissão contínua  

a calar-se ante a verdade

dita nos momentos errôneos.

Possessiva é, pois, a juíza

sem dar de si

um mínimo perdão

incriminado à condenação.

Construção em nicho

De qual nutrição se serviu a raiz,

para edificar o ser em barro?

... se, em lágrimas de sofrimento,

não basta a heterogênea mistura

de areia e cimento que arquitetam o esqueleto

na forma da armação

coberta de carne, nela, afixada

pelo molho do sangue.

é, pois, o nada, que restar do concreto 

e tudo à eternidade. 


Colunas anteriores

Caxias: resumo

Foi na Igreja de São Benedito que, em 1858, o antístite da Igreja Maranhense, Dom Manoel Joaquim da Silveira, denominou Caxias com o título: “A Princesa do Sertão Maranhense”. A história de Caxias começa, no século XVII, com o Movimento de Entradas e Bandeiras ao interior maranhense, para o reconhecimento e ocupação das terras às margens do Rio Itapecuru, durante a invasão francesa no Maranhão,...
Continuar lendo
Data:25/10/2021 15:54

Ao encantamento deles

Aos poetas  Andarilhos sob um mesmo calvário. anjos ou demônios terráqueos. pretensiosos, querem adivinhar a cor da ambiência celestial ou infernal. encantamento, é a conclusão desses poemas escritos. Nauroemcidade Para Nauro Machado O sal que banha essa ilha... o barro escondido na construção desse patrimônio cultural da humanidade... eis, o que Nauro é... eis, onde Nauro está... eternamente, São...
Continuar lendo
Data:18/10/2021 14:58

Poemas duvidosos

Féretro Deitarei  na madeira fôrma. pagada estará a luz dos meus dias e noites - sol, lua e estrelas fogem da vida terminada - o amarelado fogo das velas envoltas iguala-se ao meu pálido corpo inerte e estendido qual iguaria posta à mesa do velório. já estará faminta a profunda cova  aberta com a língua úmida da morte e os dentes afiados no cio da solidão. Naturezas: A animal, o instinto criou o...
Continuar lendo
Data:11/10/2021 08:01

PUBLICIDADE

Responsive image
© Copyright 2007-2019 Noca -
O portal da credibilidade
Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pelo Google:
A Política de Privacidade e Termos de serviço são aplicados.
Criado por: Desenvolvido por:
Criado por: Desenvolvido por: