PUBLICIDADE


Uma fotografia e muitas histórias


Tirar uma foto hoje é tão banal que as pessoas registram até o alimento que está prestes a ingerir para logo em seguida, jogar nas redes sociais. Momentos de diversão, no trabalho, viagens ou objetos pessoais expostos para que todos vejam sua vida na internet. Parece que as fotos hoje em dia são para os outros verem e não para guardarmos como um momento especial. No meu tempo de garoto, só adultos tinham maquina fotográfica, pois era caro ter de revelar um filme para poder conferir o resultado. Cada filme tinha capacidade de tirar 20 ou 30 fotos, mas muitas ‘queimavam’, ou seja, a foto dava algum erro, como desfocar ou simplesmente sair tudo branco ou preto. Esperávamos ansiosos para ver o resultado da revelação fotográfica e riamos com cada imagem, relembrando bons momentos vividos. Guardávamos os negativos para caso perdesse alguma foto, fosse possível fazer uma cópia.

Tempos atrás enquanto estava na Academia de Letras, o Manoel, funcionário da casa e que também é amante da história, chegou com um punhado de fotografias velhas e negativos, pois ele sabia que eu adoro fotos antigas de Caxias. Me relatou que certa vez andando pelas ruas, passou de frente a ‘Delfinlândia’, residência abandonada de José Delfino. Ele se deparou com uma serie de papeis e objetos jogados quase que no meio da rua, inclusive um grande e pesado cofre, tudo pertencente à família daquele importante comerciante. A casa foi abandonada e depois serviu para uma família que invadiu o imóvel e depois, removidos pela assistência social, foi ocupada por usuários de drogas. Foi assim que esse material foi parar na sarjeta e entre os entulhos, fotografias.

Muitas delas eram registros pessoais de José Delfino, esposa, filhos e netos. Esse coronel nascido em Pedreiras e residindo em Caxias desde jovem, montou um império comercial que só foi superado anos depois pelo seu irmão, Alderico Silva. Naquela época por volta de 1930 a 50, uma máquina fotográfica era um objeto de luxo, tão caro que um rádio (lembrando que na época ainda não existia TV disponíveis). E em seu belo palacete existiam várias fotos. Uma dela me chamou atenção, porem estava em negativo. Mas dava para ver momentos felizes de uma época quase de inocência em Caxias, onde crianças brincavam alegremente de bicicleta no meio da rua.

Negativo resgatado

Tirei uma foto do negativo e por meio de programas específicos, consegui chegar a imagem original, como se fosse a fotografia revelada. A rua é a Aarão Reis e o imóvel ao lado é a residência do então Governador do Maranhão, Eugenio Barros. Assim, essa foto é um importante registro também histórico pois traz a imagem original de como era a fachada da casa desse importante político maranhense, hoje já bem diferente.

Imagem restaurada por computação gráfica

Como a cidade era bela! Dá para ver a alegria contagiante das jovens, possivelmente as netas de José Delfino, passeando pelas ruas quando isso ainda era possível. Não sei se essa foto chegou a ser revelada pela família. Mas se um dia foi, imagino o carinho com que eles guardaram esse momento. E pensar que décadas depois tudo estava no lixo, abandonado. Mas graças ao Manoel, agora conseguimos guardar essa foto para os arquivos históricos de Caxias.


Colunas anteriores

Obrigado Milson Coutinho

Partiu nesta semana (04/08), um desses personagens que transformam nossa vida para melhor. Sim, transformam porque quem faz literatura, como a histórica, muito mais do que elevar nosso conhecimento teórico nos instiga a questionar o presente, refletir decisões sócio-políticas e entender melhor os acasos e tragédias passadas. No meu caso, esse personagem foi Milson Coutinho. Recordo que desce criança quando vivia na biblioteca do meu pai,...
Continuar lendo
Data:07/08/2020 07:18

1823-2023: Três anos para o bicentenário

Chegamos ao mês de agosto de 2020 e nos preparamos para comemorar duas das mais importantes datas do calendário caxiense: o 1º de agosto em que comemoramos a nossa adesão a Independência do Brasil, conquistada com sangue e luta e o dia 10, nascimento de nosso poeta maior, Antônio Gonçalves Dias. Todo o ano, desde a libertação da cidade ocorrida em 1823, a nossa adesão é celebrada na cidade, de missas a festejos e nos...
Continuar lendo
Data:31/07/2020 10:56

163 anos de Cristino Cruz

Cristino Cruz. Imagem: acervo do autor. João Cristino da Cruz é um daqueles caxienses que se transformaram em personagens da história nacional. Agrônomo, transformou a usina da família, o Engenho D’água em um dos maiores empreendimentos agrícolas do Nordeste. Na política foi o idealizador do atual Ministério da Agricultura. A sua família, os Castelo Branco, vinha de uma rica descendência portuguesa que se...
Continuar lendo
Data:23/07/2020 16:46

PUBLICIDADE

Responsive image
© Copyright 2007-2019 Noca -
O portal da credibilidade
Este site é protegido pelo reCAPTCHA e pelo Google:
A Política de Privacidade e Termos de serviço são aplicados.
Criado por: Desenvolvido por:
Criado por: Desenvolvido por: